Brasil,
Cadastre-se e receba novidades!
Página inicial  |  Mural de Recados  |  Livro de Visitas  |  Agenda de Eventos  |  Galeria de Fotos  |  Mascotes  |  Fale Conosco
Rui Biriva - Pedindo Cancha ...
...

Siga o Gu@pos no Twitter!
01/10 - Grupo Rodeio no teatro Dante Baro... 26/09 - ... 24/09 - ...
 
CUSCO PRETO
Antônio Francisco de Paula
 Tamanho da fonte 
Meu velho cusco preto,
Companheiro de andanças,
Das caçadas e festanças
E gauderiadas pelos pagos,
Nos bolichos e nos tragos
Estava sempre comigo,
Protegendo-me do inimigo,
Rosnando sempre ao meu lado.

Sesteando em riba das patas,
Com orelhas estaqueadas,
Se criou largando as pulgas,
Entreverado com a peonada,
Nos corredores de estrada,
E lá no fundo do galpão,
Escutando resmungo de gaita
E tinido de facão.

Os retinidos de esporas,
Relinchos de redomão,
Os berros de terneiros
E do bugio lá no capão,
Estalo de relho e tropel de cascos,
Rangido de carreta no espigão,
Zunidos de argolas de laços,
Nos dias de marcação.

Assim vivia o meu cusco
De rincão em rincão,
Comendo bago na brasa
Nas lidas de castração,
Atocaiando um lagarto
Lá no fundo do chiqueiro,
Correndo pelo potreiro
Atrás de um potro gavião.

Cachorro preto teatino,
Sem raça, criado guaxo,
Sempre foi guaipeca macho
Nos rebuliços de campanha,
Desde muito que me acompanha
Demonstrava inclinação
Em pegar boi pelas ventas
E fazer escarvar o chão.

Cusco preto pêlo duro
Que trás as marcas no couro
De chifradas de touro
E manotaço de bagual,
Vive hoje na porta do rancho,
Entravado sobre um baixeiro,
Na sombra do abacateiro,
Já não pode mais pelear.

Pois, por força do destino,
O guasca foi atropelado
Por um índio desalmado
Que por pouco não lhe matou,
Mas, Cusco..., preto valente
Vai pastoreando deitado,
As lembranças do passado
Do patrão que lhe criou.
Ver todas as poesias...
Luiz Marcelo Felippi
Joinville/SC
Eu sou fã do guapos porque é um excelente site! Ab...
Participe você também!
  ENQUETES  
Por qual meio de comunicação você chegou até o Portal Gu@pos?
  PESQUISA  
Pesquisa personalizada