Home » POESIA

POESIA

GENTE, TERRA E LIBERDADE – VALDORION KLEIN

Ali! No Sul Catarinense, No povoado de Laguna, Ninguém tinha fortuna, Era parada de tropeiro. Entre eles – Bento Ribeiro, Vindo de Lages pra Morrinhos. O mais curto dos caminhos, Tropeando gado campeiro. No Brasil instalou-se o Império, Com uma Regência em crise. E contra atos de barbarize, Explodiu muita revolta. O Império ficou sem escolta, Quando no Sul peões …

Leia mais »

Adair de Freitas – IMAGENS

Quando refugo meu catre, cedito, que ainda não é dia nem noite, da porta do galpão encho minh’alma na paz que me transmite a calma da imensidão da pampa. Do olhar do guacho que levanta, espreguiçando, da faceirice do meu cusco, abanando a cola. Do canto do galo, primeiro a ver a aurora, repechando as últimas dobras da coxilha, onde …

Leia mais »

Adail de Bittencourt – SONETO

Fui um gaúcho sobranceiro e forte, Vivia alegre como um sol nascente; E capaz de enfrentar a própria morte Se ela ousasse surgir em minha frente. Mas um dia me fiz daqui ausente, Deste meu berço que me deu má sorte, Parti sentindo uma saudade ardente, Parti gemendo em direção ao norte. Sulquei os mares e subi montanha, Muitos anos …

Leia mais »

Xavier Valter Fritsch – PASSAGEM

E se diziam gaúchos Os que chegavam a cavalo. Tinham lampejos de lua Por entre as melenas longas E uns acordes de milongas, Como fundo musical Das prosas de muitas rondas. As alpargatas barbudas. Botas de pé por trocar, Pilchas simples, dos campeiros, Cherengas de palmo e meio, E alguns usavam guaiacas Escassas eram as patacas, O municio e os …

Leia mais »

Xavier Valter Fritsch – PÊLO DURO

Patrão, eu sou um brasileiro de raça muito especial. Neste atavismo bagual que a minha estampa sustenta, E pelo tempo se agüenta, mantendo uma tradição. É o que restou da Nação morena, guapa e machaça. Testada a poeira e fumaça de muita revolução. Reparem, não sou comum, neste jeito meio estranho. E ao ouvir os costumes de antanho que por …

Leia mais »

Xiru – João Rebés – SALVE O 20 DE SETEMBRO

Hoje é dia do gaúcho Pode esquecer do luxo Apenas bota e bombacha Com muita simplicidade É o campo e a cidade Festejando com alegria É raiz, não é mania É tradição de verdade. Aceso fogo de chão Fartura de chimarrão De a pé ou de a cavalo Que importa é este embalo Nos levando pra o passado Não para …

Leia mais »

Yé e José Ernesto Tavares – RASTRO DA HISTÓRIA

Foi nas patas do cavalo Que alargamos a fronteira Fazendo vir até aqui A cultura missioneira E o progresso transportado Na carreta rangedeira Que abriu novos caminhos Da terra sul-brasileira. Era para de cavalo Era roda de carreta Era ronco de cordeona E chio de chaleira preta. E no meu pago nativo De campos e mananciais E com rastros de …

Leia mais »

Zeno Cardoso Nunes – Briga de Touros

A chuva de verão passou, veio a estiada. O sol, a pino. A terra, inda molhada. Um Zebu estava esperando no rodeio outro touro, um crioulo guapo e feio que sempre fora o dono da invernada, e a passo largo vem se aproximando, e vem cavando terra, e vem berrando tão grosso que parece trovoada! Encontram-se e pelejam com denodo, …

Leia mais »

Adail de Bittencourt – Pitangueira

Pitangueira, minha amiga quero escutar a cantiga dos sabiás destas vertentes, que cantam sobre teus galhos, molhados pelos orvalhos das madrugadas ridentes. Quero sentir a frescura de tua sombra, e a doçura dos teus frutos saborosos, que me trazem relembrança dos meus tempos de criança, dos meus sonhos nebulosos. Quero sentir minha infância na delicada fragrância da flor silvestre e …

Leia mais »