Home » POESIA » Adail de Bittencourt – SONETO

Adail de Bittencourt – SONETO

Fui um gaúcho sobranceiro e forte,
Vivia alegre como um sol nascente;
E capaz de enfrentar a própria morte
Se ela ousasse surgir em minha frente.

Mas um dia me fiz daqui ausente,
Deste meu berço que me deu má sorte,
Parti sentindo uma saudade ardente,
Parti gemendo em direção ao norte.

Sulquei os mares e subi montanha,
Muitos anos passei em terra estranha,
E só Deus sabe o quanto padeci!

Depois de muito pranto derramado,
Volto agora saudoso e conformado
Para morrer no berço onde nasci.

Sobre Jeff

Idealizador e fundador do Portal Guapos. Pai, fotógrafo, desenvolvedor web, responsável pelo desenvolvimento do Portal Guapos, amante da tradição gaúcha e um apaixonado por internet e tecnologia.

CONFIRA TAMBÉM

GENTE, TERRA E LIBERDADE – VALDORION KLEIN

Ali! No Sul Catarinense, No povoado de Laguna, Ninguém tinha fortuna, Era parada de tropeiro. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *